Interacção alimento – medicamento

Os alimentos e os medicamentos cumprem necessidades distintas na vida dos seres humanos. Enquanto os primeiros satisfazem as necessidades básicas dos indivíduos de forma a garantir a sua subsistência, contribuindo para a manutenção da saúde, os segundos são utilizados quando, por qualquer razão, é necessário forçar a “natureza” a corrigir uma situação anormal conducente à doença.

A interacção alimento – medicamento (IAM) é causa frequente do aparecimento de efeitos adversos imprevisíveis, sendo, por vezes um fenómeno descurado no dia-a-dia da prática clínica. Regra geral, não conduz à morte mas é responsável pelo aumento de morbilidade por modificação da resposta farmacológica. O interesse por este tipo de interacção surgiu por volta de 1963, aquando da manifestação de crises hipertensivas em doentes, provocadas pela interacção entre os inibidores da mono aminoxidase (IMAOS) e as aminas biogénicas Tiramina e Histamina, existentes em certos alimentos como os queijos, vinho e cerveja.

Pode-se, então formular a seguinte questão: De que forma os alimentos podem alterar os efeitos dos medicamentos? Apesar da aparente complexidade desta questão, a resposta à mesma é bastante simples, podendo-se dizer que os alimentos interferem no comportamento dos medicamentos no organismo por duas vias: por um lado alteram a suas propriedades farmacocinéticas (absorção, distribuição, metabolismo e excreção – ADME); por outro provocam modificações farmacodinâmicas. É de referir que tanto as modificações farmacocinéticas como farmacodinâmicas podem levar a uma alteração dos níveis plasmáticos ou sanguíneos do fármaco. Considerando que a maior percentagem de medicamentos nas doenças crónicas são administrados por via oral, é importante considerar a absorção do fármaco a nível do sistema gastrointestinal e os factores que a condicionam.

A absorção varia não só com a presença de alimentos, mais concretamente com os constituintes dos mesmos. Aceita-se que efeitos destas interacções podem conduzir a uma redução, um aumento ou a um atraso da absorção, verificando-se causas fisiológicas como esvaziamento gástrico, a motilidade intestinal e as secreções gastrointestinais e outras, de natureza química, como a quelação e a adsorção que provocam modificações na fase de absorção dos medicamentos. Um exemplo típico de atraso na absorção surge quando se administram concomitantemente os Anti Inflamatórios não-esteroides (Diclofenac e Cetoprofeno), os Antipiréticos e Analgésicos (Paracetamol) ou ainda Benzodiazepinas como (Diazepam, Citoprolam, Midazolam e Bromazepam). Tal como já foi referido, os constituintes dos alimentos também desempenham um papel nesta situação. É o caso das Tetraciclinas (Antibiótico), que não devem ser ingeridas com alimentos ricos em cálcio e ferro (leite, queijo e iogurtes). Existem também medicamentos em que, na presença de determinados alimentos, a sua absorção fica aumentada assim como a sua biodisponibilidade (modificações de pH, solubilidade do fármaco).

No sistema ADME a distribuição é a que menos contribui para o fenómeno IAM. Quanto à metabolização, esta é relativa à capacidade de certas enzimas hepáticas serem alteradas no seu funcionamento, em particular o citocromo P450, resultando numa inibição ou indução desta enzima. A metabolização é um fenómeno de extrema importância visto ter como objectivo converter as substâncias exógenas em compostos polares facilmente elimináveis por via renal. Neste sentido, factores intrínsecos (variação intra individual) e factores extrínsecos como a alimentação e a dieta vão ter particular efeito sobre o citocromo P450 e as suas diferentes isoenzimas. Um exemplo paradigmático das interacções a nível do metabolismo é o da interferência do sumo de toranja com vários medicamentos. O sumo deste fruto inibe o funcionamento das enzimas hepáticas, conduzindo a um aumento das concentrações plasmáticas dos medicamentos. Assim, não se devem tomar Anti-Histamínicos, Benzodiazepinas (Diazepam) e Medicamentos Antidislipidémicos (Lovastatina, Atorvastatina e Simvastatina).

No que respeita à eliminação dos medicamentos, o processo é afectado quando se altera o pH da urina. È conhecido que os alimentos como a carne, queijos, manteiga, pão, entre outros são capazes de acidificar a urina mas, por outro lado, legumes e verduras são agentes alcalinizantes. Na maioria dos casos os medicamentos são ácidos ou bases fracas, daí a influência de alguns alimentos na sua excreção. Para além das interacções farmacocinéticas referidas anteriormente, também as interacções farmacodinâmicas devem ser consideradas. Este tipo de interacções é menos frequente, dando-se como exemplo a influência do álcool que no SNC (Hipnóticos e Anti-Histamínicos) em que há uma potenciação, ou mais correctamente, um sinergismo do efeito. Por outro lado, o efeito pode ser antagónico: os Anticoagulantes (Varfarina) são antagonizados por alimentos ricos em vitamina K (aveia, trigo e fígado).

É importante ter a noção de que os medicamentos, por si só, também influenciam o estado nutricional do doente. Algumas vezes surgem anemia, diarreia, perda de peso, as quais são provocadas por IAM e não por uma situação clínica específica. Se se tomarem cronicamente alguns medicamentos, estes poderão fazer diminuir a quantidade de elementos essenciais, causando deficiências nutricionais. É o que acontece no uso abusivo de laxantes e anti-ácidos, cujo efeito se traduz numa menor absorção de glicose, proteínas, sódio e vitaminas.

Concluindo, as interacções poderão ser minimizadas se houver uma abordagem multidisciplinar em que todos têm um papel fundamental. Sem dúvida alguma que o doente tem o papel fulcral de dar conhecimento ao médico/farmacêutico de que medicamentos toma e quais os seus hábitos alimentares para que se possa individualizar a terapêutica, no sentido de se obter o efeito pretendido. O doente é um “agente” activo no seu tratamento, contribuindo para que a terapêutica seja eficaz e com menos efeitos adversos.

Autora: Dr.ª Isabel Mega, Farmacêutica

Este artigo foi escrito pela autora para utilização pela Myos e não pode ser reproduzido em outros sites, blogues e páginas, sem a expressa autorização da autora e da Myos.

Nota: este artigo foi escrito com o antigo Acordo Ortográfico.

Se gostou deste artigo partilhe através deste link

Tags: ,
Categories:Tratamento Farmacológico e Suplementos, Viver com a doença

Relacionados

Leave a Reply